A série Cobra Kai e a evolução de Karatê Kid

*spoilers de Karatê Kid I, II e Cobra Kai

Karatê Kid - A Hora da Verdade (The Karatê Kid, 1984) definiu uma geração de jovens ao apresentar o azarão Daniel Larusso (Ralph Macchio), que com a ajuda de seu sábio mestre, ou melhor sensei, Myiagi (Noriyuki "Pat" Morita) consegue superar o bullying e as porradas que recebia do grupo Cobra Kai, liderado por Johnny Lawrence (William Zabka). No final, é claro, ele fica com a garota de Johnny, a tão cobiçada Ali (Elisabeth Shue), após um torneio e golpe insuperáveis. 

O filme fez tanto sucesso que rendeu mais duas continuações estrelando Ralph Macchio e uma com a então novata Hillary Swank, que depois ganhou dois Oscars de Melhor Atriz. Aqui no Brasil, a saga passava direto na Sessão de Tarde e, com certeza, incentivou muitos jovens a aprenderem karatê. Naquela época, estava claro: Daniel era o mocinho e Johnny o vilão. 

É aí que Cobra Kai, série original do Youtube que foi recentemente comprada pela Netflix, muda completamente o ponto de vista dos fãs. Se antes William Zabka, o eterno Johnny, era perseguido por uma horda de fãs que queriam puni-lo por ser ruim para Daniel, hoje o personagem, graças à Cobra Kai, se tornou um absoluto favorito. 


A mudança, no entanto, ocorreu gradualmente e muito antes da série. Cobra Kai deve sua concepção, pelo menos em parte, ao 22º episódio da oitava temporada da série How I Met Your Mother, na qual Barney Stinson (Neil Patrick Harris) tem sua despedida de solteiro. Em sua série de pedidos, ele quer conhecer o verdadeiro Karatê Kid. Seus amigos acreditam que seja Ralph Macchio, que interpretou Daniel Larusso, mas ao vê-lo, Barney dispara: 

Eu odeio o Ralph Macchio. Eu o odeio, odeio! Ele não é o verdadeiro karatê kid. O verdadeiro era William Zabka, a estrela prodígio do dojo de Cobra Kai, quando esse monstro o derrotou com um chute ilegal no mais triste e assombroso final de filme de todos os tempos. - Barney na série.

Depois disso, em 2015, um famoso canal no Youtube lançou o vídeo "Daniel Larusso é o verdadeiro vilão de Karatê Kid" que bombou na web. Nele, é listado todos os pontos no qual Daniel "provoca" seus agressores e mostra uma diferente perspectiva da história de Karatê Kid - A Hora da Verdade (Karatê Kid, 1984). 

Agora, os criadores da série Cobra Kai, que estreou em 2018, Jon Hurwitz, Hayden Schlossberg, e Josh Heald, sabiam que o mundo estava preparado para uma perspectiva diferente dos personagens, exibindo a evolução de Johnny e Daniel e como uma rixa que pode durar anos tem consequências devastadoras. Heald garantiu, em entrevista ao site CBR, que o vídeo do Youtube e o episódio de How I Met Your Mother lhe deram a certeza que estavam na direção certa: assim nasceu Cobra Kai. 


Em Cobra Kai, conhecemos a nova realidade de Johnny Lawrence (William Zabka) que teve seu auge no ensino médio. Hoje ele trabalha em uma série de empregos como "faz-tudo" e mora em Reseda, a parte mais pobre de San Fernando Valley. É como se ele tivesse trocado de lugar com Daniel LaRusso (Ralph Macchio), que antes pobre, hoje vive em uma linda mansão com sua maravilhosa esposa Amanda (Courtney Henggeler) e seus dois filhos, Samantha (Mary Mouser) e Anthony (Griffin Santopietro). 

Perdido, Johnny muda de rumo ao conhecer Miguel (Xolo Maridueña), um jovem que acabou de se mudar perto dele, e que sofre bullying dos valentões de sua sala. Decidido a ajudá-lo após formar uma amizade com o rapaz, ele reabre o tão temido dojo do Cobra Kai com o mesmo lema: "Ataque primeiro, ataque forte, sem piedade". 

Mas diferente do primeiro Cobra Kai, os alunos que Johnny recebe são justamente aqueles que sofrem bullying na escola. Com métodos um tanto duvidosos, ele restaura a confiança nos jovens, tentando ser um melhor sensei do que John Kreese (Martin Kove) foi. Isso, é claro, levanta suspeitas de Daniel, que se sente ameaçado com a ressurgência do dojo que o perseguiu quando adolescente: é aí que ele cria sua própria escola de karatê para contrapor Cobra Kai: o Miyagi Do. 

Reforçando sua base na nostalgia, Cobra Kai revive o triângulo amoroso de Ali x Daniel x Johnny quando Miguel, do dojo de Lawrence, se apaixona por Samantha, filha de Larusso. Logo, após uma série de circunstâncias, ela fica dividida entre ele e Robbie (Tanner Buchanan), que aprende karatê com Daniel, mas é o filho problemático de Johnny Lawrence. 

Ali, aliás, é o norte de Johnny em todo Cobra Kai, pois ele claramente não conseguiu superar a jovem e continua a culpar Daniel por separá-los. Em dois pontos específicos da série, ele pinta LaRusso como o verdadeiro vilão -mostrando que tudo é uma questão de ponto de vista - enquanto o personagem de Macchio tem flashbacks assustadores com o que sofreu na mão dos Cobra Kai. 

Johnny Lawrence é o verdadeiro azarão: se antes ele era pintado como um terrível bully, agora o telespectador não consegue deixar de torcer para ele - um homem simples, que gosta de lindas garotas, cervejas e é durão. Para os desavisados, Daniel, então, pode ser visto como o antagonista de Cobra Kai, quando isso claramente não é verdade.

Isso porque quando Johnny e Daniel se reúnem, em circunstâncias não relacionadas ao karatê, os dois se dão muito bem, conversam, brincam e se entendem. LaRusso claramente tem seu coração no lugar certo, assim como Johnny, mas a rivalidade entre eles impede que vejam o quanto eles tem em comum. 

Ao reassistirmos Karatê Kid - A Hora da Verdade e sua continuação, fica claro que o verdadeiro vilão desse universo é John Kreese. Isso porque ao final do primeiro filme, Johnny fica reticente ao usar o ponto fraco de Daniel, sua perna, para ganhar pontos na luta. Quando perde, ele mesmo dá o troféu de primeiro lugar ao LaRusso e grita: "Parabéns, você mereceu." Um verdadeiro bully, sem nuances, nunca faria isso. 

Em outra ocasião anterior, antes da luta final, John Kreese aconselha seu aluno, Bobby Brown (Ron Thomas) a dar um golpe ilegal em Johnny, na sua perna, para que ele não possa mais competir. Bobby fica relutante, mas depois das ameaças do professor concorda com o golpe. Assim que Daniel agoniza no chão, podemos ver Bobby chegar perto e pedir perdão pelo que fez. 

Ou seja, os garotos de Cobra Kai, apesar de cometerem erros e serem covardes por espancar Daniel na desvantagem de um contra quatro, não eram verdadeiramente malvados, eles estavam apenas sendo guiados por alguém sem escrúpulos, que os ensinou que mostrar compaixão era sinônimo de ser fraco. Tanto que no começo de Karatê Kid II (idem, 1986), após Kreese enforcar Johnny, eles desistem do Cobra Kai para sempre. 

E aí que está o acerto da série: enquanto humaniza Johnny, que nunca consegue uma vitória satisfatória, e Daniel, que irrita com sua atitude superior, também mostra que nem todas as pessoas merecem uma segunda chance, nem todas estão dispostas a mudar e crescer, vulgo Kreese. Às vezes, valentões são apenas isso: valentões sem escrúpulos, sem meio-termo. 

John Kreese é o cabeça de Cobra Kai e embora, na série, tudo aponte que Johnny permitir que seu antigo sensei retorne seja uma péssima ideia - até seus antigos amigos o avisam - ele se mantém firme na decisão, certo de que todos merecem uma chance porque ele também quer ser redimido. Uma projeção de si mesmo, por exemplo, pois se ele tivesse recebido uma nova oportunidade de Ali, ele acha que não estaria onde está hoje. 

Cobra Kai mescla com perfeição a nostalgia dos anos 80, com a atitude badass de Johnny, o símbolo que foi Daniel para toda uma geração, ao ressignificar a saga dos filmes de Karatê Kid. Os criadores acertaram ao não tentar refazer a fórmula, como ocorreu em Karatê Kid de 2010, e sim levá-la para outra patamar, mesclando o original com um novo compartimento de histórias.

Miguel, o protagonista teen de Cobra Kai, não é perfeito: apesar de ser um doce menino, comete erros ao deixar as habilidades de karatê e o ciúmes subir à sua cabeça, mas tem o coração no lugar certo. Falcão (Jacob Bertrand), aliás, deixa o status de fodão - após sofrer bullying constantemente na sua vida - subir à cabeça e ele começa a perseguir seu ex-melhor amigo, Demetri (Gianni Decenzo). Aisha (Nichole Brown), sofria por ser gorda, mas ganha uma nova atitude após se sentir mais forte. 

Todos os personagens tem uma função aparente, inclusive Tory (Peyton List), ao mostrar que o mundo não é preto no branco: é cinza, conforme analogia própria de Johnny Lawrence. 


Em uma das lições de Daniel para seus alunos do Miyagi Do - muitos que saíram de Cobra Kai por não concordar com o lema de "sem compaixão" elevado ao quadrado por Kreese - ele conta que já foi do dojo inimigo e que ficou cego pelo poder que a força sem limites lhe havia dado. Johnny, claramente, já sabia desses erros e tentava transformar o novo Cobra Kai em "sem compaixão", mas com um aspecto importante, "com honra". 

Cobra Kai promete, e cumpre, ao levar Daniel e Johnny ao próximo nível e nas próximas temporadas é possível que a inserção de Ali possa finalmente por um ponto final nessa rixa obsessiva, ou ao menos permitir que Johnny se entregue de verdade à outro relacionamento. 

Quanto aos jovens, apesar do claro paralelo ao Karatê Kid original, os telespectadores conseguem ter um maior desenvolvimento de suas personalidades dando a chance que Johnny nunca teve - a simpatia do público. Podemos esperar flashbacks de todos os filmes do Karatê Kid, que possuem uma rica história, inclusive com Julie Pierce. 

Cobra Kai, portanto, é a verdadeira prova de que, com o ponto de vista certo, você pode aprender a amar seu inimigo. Ou pelo menos, entendê-lo. 


Cobra Kai (idem, 2018 -) tem suas duas temporadas disponíveis pela Netflix. 



Facebook Blogger Plugin by | Get Widget