A morte (não) acidental de Natalie Wood: o que realmente aconteceu?

Natalie Wood, nome artístico de Natalia Nikolaevna Zakharenko, foi uma das grandes atrizes da antiga Hollywood. Com sua personalidade doce e grandes olhos castanhos, ela nunca estudou atuação, mas tinha aquele poder natural - à la Marilyn Monroe - de exibir toda sua vulnerabilidade e poder nas telas em clássicos como O Clamor do Sexo (Splendor in the Grass, 1961), Amor, Sublime Amor (West Side Story, 1961) e Juventude Transviada (Rebel Without a Cause, 1955). 

A atriz foi 'empurrada' para a atuação pela mãe, Maria - uma 'mãe de palco' clássica - quando tinha apenas cinco anos de idade. Ansiosa em agradar, Natalie fazia tudo o que a mãe mandava e as duas tinham apenas um sonho: que ela se tornasse uma grande estrela. Para isso, Maria não poupou esforços: colocou a filha em risco, a ofereceu para poderosos de Hollywood (de acordo com a irmã, Lana Wood, Natalie teria sido estuprada aos 16 anos de idade, inclusive, por Kirk Douglas) e a aconselhou a nunca reclamar de nada. 

Natalie Wood faleceu sob circunstâncias misteriosas 

Em 1981, ano da morte de Natalie, a estrela tinha aparentemente tudo: duas filhas lindas e saúdaveis chamadas Natasha e Courtney; um ótimo casamento com Robert Wagner com quem se recasou em 1972; e uma carreira estável, embora não com o mesmo glamour de outrora. Na ocasião, ela gravava seu mais recente filme Projeto Brainstorm (Brainstorm, 1983) ao lado do astro Christopher Walken

De acordo com a biografia Natalie Wood: The Complete Biography de Suzanne Finstad, no entanto, a atriz estava em uma encruzilhada: aos 43 anos ela se sentia insegura, preocupada com o peso e o envelhecimento, e assim teria encontrado em Walken alguém divertido e cativante, diferente de Wagner e a pressão do casamento. Muitas fontes apontam que Natalie e Walken teriam tido um caso durante as gravações do filme; para o LA Times Wagner até a descreveu como "emocionalmente infiel"; mas outros amigos próximos negam. 

O que se sabe é que apenas Walken e Wagner, além do capitão Dennis Davern, estavam presentes na noite da morte de Natalie Wood, no fatídico dia 29 de novembro de 1981. E só eles podem afirmar, com certeza, o que aconteceu àquela noite. Então por que tantas evasivas? 

Natalie à bordo do 'Splendour'

Alguns dias antes de sua morte, Natalie Wood convidou alguns amigos para celebrar o Dia de Ação de Graças no iate 'Splendour', batizado em homenagem à seu filme com Warren Beatty. Na ocasião, ela o marido haviam chamado outras pessoas para a celebração: as amigas Peggy Griffin e Delphine Mann, mas ambas declinaram. Assim o casal aproveitava a companhia de Walken que, nos bastidores, era apontado como o possível amante de Wood. A esposa dele, Georgianne Thon, ficou na casa deles em Wilton, Connecticut naquele final de semana. 

No dia 28 de novembro, o casal, Christopher e Davern foram para o restaurante Doug's Harbor Reef, onde teriam ficado bebendo durante horas. De acordo com testemunhas, a atriz parecia bastante infeliz com os rapazes e o clima seria bastante tenso - Wood até teria quebrado uma garrafa. Quando eles saíram, Natalie teria tropeçado antes de entrar no bote com a ajuda do marido e amigos. Robert, de acordo com testemunhas, parecia estar com bastante ciúmes da esposa e Christopher. 

No dia anterior, inclusive, atriz teria chegado a dormir no hotel Pavilion Lodge, em Avalon, com Davern (em quartos separados) e estava decidida a voltar para casa após mais uma briga com o marido Robert Wagner, que não parava de beber. Quando acordou no dia seguinte, contudo, ela decidiu voltar para Wagner e Walken como se nada tivesse acontecido e eles foram para o Isthmus Cove - seu destino estava selado. 

Natalie com Walken em foto do filme 'Brainstorm'

No dia 29 de novembro, às 7h45, o corpo de Natalie; vestindo uma camisola, meias e um casaco vermelho; foi encontrado pela Guarda Costeira à um quilômetro e meio do iate 'Splendour', na água da enseada do Blue Cavern Point, na Ilha de Santa Catalina, na Flórida, Estados Unidos. A atriz faleceu horas antes, por volta da meia noite (de acordo com a análise feita do seu estômago) daquele mesmo dia de novembro. Quando a notícia repercutiu nos jornais, o advogado do casal Paul Zifrren emitiu a seguinte nota:

[Natalie] saia com o bote sozinha, inúmeras vezes, e por isso Wagner não ficou preocupado. No entanto, quando ela não retornou entre 10 a 15 minutos, Robert saiu com outro bote pequeno para procurá-la. Então notificou a Patrulha Costeira. - para o jornal San Bernardino Sun

O comunicado, no entanto, está incorreto: Robert Wagner não tinha outro bote pequeno no 'Splendour' e, na ocasião, ainda não se sabia que o bote que foi supostamente encontrado ao lado de Natalie, foi na verdade, usado nas buscas. Ou seja, a atriz não estava nem perto dele quando foi encontrada flutuando sob a água. O 'Prince Valiant', como o bote era chamado, foi recuperado perto das rochas da enseada. 

O bote onde estava Natalie Wood sendo puxado pelos oficiais

O desaparecimento de Natalie foi reportado para o diretor do Porto às 1h30 da manhã. A Guarda Costeira, no entanto, chegou no local apenas às 5h após ser notificado às 3h30. A Polícia às 6h do dia 29 de novembro de 1981. Doug Bombard, quem encontrou o corpo de Natalie, afirmou que ela foi achada perto do bote aos jornais -erroneamente, sem sinais aparentes de agressão ou machucados. 

Robert Wagner, assim que soube da morte da esposa, voltou para Los Angeles onde se isolou com as filhas em casa. Em comunicado para a imprensa, ele contou que havia retornado da Ilha para o barco e, por volta da meia noite, ele estava na cabine enquanto Natalie estava no quarto. Um tempo depois, ele foi se juntar à ela e viu que o bote não estava mais lá. Assim, achou que ela teria ido passear à noite e voltaria em breve. 

A atriz, então com 43 anos, no entanto, morria de medo de água. Desde que a mãe lhe contou a profecia de uma cigana de que ela morreria em águas profundas, Natalie sempre evitava ficar perto da água, embora se sentisse segura no iate. Então por que ela usaria o bote, sozinha è a noite? 

Natalie e Robert à bordo do 'Splendour'

A primeira versão de Wagner, corroborada por Warren e o capitão do barco, de que Natalie teria saído com o barco sem motivo aparente, caiu por terra após a entrevista do médico legista Thomas Noguchi, em 1º de dezembro. Para a imprensa ele deixou escapar, sem querer, que Christopher e a estrela de 'Casal 20' teriam discutido naquela fatídica noite:
Aparentemente houve uma discussão não-violenta entre o sr. Wagner e o outro ator. Aparentemente, essa foi a razão pela qual ela se separou do grupo. - via o jornal San Bernardino Sun. 

Paul Ziffren, o advogado da família, apenas respondeu: "Eu não acho que isso [a discussão] é relevante. O importante é que ela está morta". Segundo o legista, Natalie tinha uma taxa considerável de álcool no sangue, o que seria equivalente à uma bebida recreacional de sete ou oito taças de vinho. A atriz não tinha qualquer droga em seu sistema, mas tinha um arranhão na bochecha, consistente com uma suposta queda do bote. 

Para ele, Natalie teria escorregado e não conseguiu subir no bote porque o casaco pesado a 'puxava' para baixo. Alcoolizada, ela não teria conseguido gritar por ajuda e faleceu. A autópsia ainda apontou que ela tinha hematomas nas pernas e braços, que não foram minuciosamente investigados. 

Natalie, de acordo com amigos, nunca entrava no bote sozinha

Para a polícia, Natalie teria escorregado ao tentar entrar no bote e caiu na água. Intoxicada, ela teria se engasgado com a água salgada, impossibilitada de gritar por ajuda: "Infelizmente ela foi incapaz de voltar no bote ou iate e faleceu. Não há nenhuma evidência de jogo sujo ou qualquer outra coisa a não ser um afogamento acidental". 

Apesar disso, perguntas permaneciam: como não escutaram sua queda? Como ninguém ouviu o bote motorizado, que fazia bastante barulho quando ligado, se ela teria saído com ele como afirmou Wagner? O bote, encontrado à 200 metros do corpo de Natalie, estava com ignição desligada e intacta, ou seja, nem sequer tinha sido ligado. 

Thomas Noguchi foi logo afastado de seu cargo como legista 

No dia 2 de dezembro de 1981, Noguchi foi afastado de seu cargo como legista chefe após revelar essa suposta briga entre Warner e Wagner. Roy Hamilton, chefe da investigação da Polícia de Los Angeles afirmou ao jornal Santa Cruz Sentinel:

Eu não sei de onde ele tirou a informação [dessa discussão]. Nós falamos com os dois e não havia nenhuma indicação de briga. Eu acho que ele [Noguchi] estava exagerando um pouco. 

Richard Wilson, assistente do legista, também voltou atrás com a informação: "Nós achamos que 'discussão' pode ser uma palavra muito forte. Pode ser sido uma conversa animada, acalorada...uma longa conversa que durou horas...".  De acordo com ele, Natalie tinha 'quantidades insignificantes' do analgésico Darvon, uma pílula para enjoo e cafeína no sangue. Robert Wagner, em conversa breve com o amigo e colunista Army Archerd, voltou a reafirmar que Natalie teria entrado no bote e que a prática era comum: "Era usual e a água estava macia como vidro". 

No dia 3 de dezembro, Natalie foi enterrada no Westwood Memorial Park, em Los Angeles, Califórnia, na presença de 100 pessoas, entre familiares, amigos e famosos como Hope Lange, Roddy McDowell, Thomas Thompson, além de Laurence Olivier, Fred Astaire, Gene Kelly, Gregory Peck e Frank Sinatra, que carregaram o caixão. Frank, de acordo com a biógrafa Suzanne Finstad, foi o responsável por tirar Noguchi do caso ao achar que ele não estaria respeitando o luto de Wagner e da família de Wood. 

Robert Wagner durante o enterro de Natalie Wood

No mesmo dia do enterro, Marilyn Wayne, uma corretora aposentada, revelou que, na noite do acidente de Wood, escutou uma mulher, repetidamente, clamando por ajuda. Ela estava na mesma enseada em um barco, quando foi acordada pelo amigo: "Isso foi por volta das 23h45 e disse: 'Você está escutando uma mulher chamar por ajuda?' Eu escutei melhor e realmente havia uma mulher gritando: 'Ajuda, alguém me ajuda!". 

A mulher afirmou para o LA Times que os gritos pararam por volta da 00h10, e que ela não ajudou pois achava que a mulher estava uma festa em um barco próximo. Ademais, ela e o amigo escutaram alguém afirmar: 'Calma, nós vamos te pegar!', diversas vezes. Marilyn pensou em auxiliá-la, mas achou que outras pessoas mais perto o fariam. Doug Ourdin, o capitão do porto, corroborou que ela contou sobre uma mulher gritando por socorro. Curt Craig, chefe do Resgate, afirmou que os "gritos não pareciam relevantes no momento. Estávamos procurando por uma pessoa, então não era nada importante"

A polícia e o novo legista também afirmaram que o testemunho sobre os gritos não era relevante e não mudava o atestado da morte, que foi anunciado como "afogamento acidental" no dia 11 de dezembro daquele ano. Natalie deixou a fortuna para as filhas, Courtney, Natasha e o marido Robert. Katharine, enteada da atriz, também recebeu um percentual, além das irmãs Lana e Olga, e a mãe Maria Gurdín. 

Natalie com a enteada, Robert e as filhas Natasha e Courtney

Robert Wagner, após duas breves entrevistas admitiu para a Polícia no dia 4 de dezembro que discutiu com Walken sobre a carreira da esposa: "Era sobre ela ficar tão ausente das crianças e de casa" e que o ator foi para o deck enquanto ele ficou na cabine. Natalie já estaria no quarto. Logo Walken teria voltado e tudo se resolveu. Por que a Polícia, então, sempre negou uma discussão entre eles? 

Ele retornou ao set da série 'Casal 20 (Hart to Hart)' no dia 8 de dezembro. No final daquele ano, dia 30 de dezembro, o astro mudou sua versão novamente para a imprensa: ao invés de afirmar que Natalie teria saído com o bote para passear, ele afirmou que ela estaria incomodada com o som do bote batendo no barco, tentou amarrá-lo mais forte, e acabou caindo na água. Ele admitiu uma pequena discussão com Walken por "política" e que eles continuaram a conversar sobre isso no iate. 

Em fevereiro de 1982, o ator voltou a fazer aparições no Golden Globe e em eventos de caridade, sempre ao lado das filhas mais novas, Natasha e Courtney. Menos de um ano depois, ele já começou a circular com a atriz Jill St. John, que se tornaria sua esposa. 

A situação parecia ter se acalmado até que Thomas Noguchi, que foi afastado da investigação após tentar fazer uma análise psicológica da atriz, lançar o livro 'Coroner' no final de 1983. Nele, o legista afirma que Natalie teria caído do iate e se afogado ao não conseguir subir no bote motorizado. Paul Miller, consultor de acidentes do oceano, tinha a mesma visão. Lana Wood, no livro 'Natalie: A Memoir By Her Sister', lançado em 1984, também corroborava a versão de Wagner de que tudo foi apenas um acidente.

Natalie e Dennis Davern

Até que em 1992, Lana recebeu uma ligação de Dennis Davern que, bastante bêbado, confessou que Robert Wagner teria machucado Natalie. Christopher Walken, por sua vez, sempre concordou com todas as versões do viúvo de Natalie. Para a polícia ele admitiu a briga sobre a carreira de Natalie e, após perceber que ultrapassou a linha, saiu para tomar ar. Quando voltou, todos se desculparam e tudo parecia bem, por isso foi para cama. Em entrevista constrangedora para o ET Entertainment em 1983, nem olhava nos olhos da jornalista ao falar sobre a morte de sua co-estrela:
A verdadeira história da morte dela é que ela se afogou. Ninguém sabe como ela se afogou e o que aconteceu além dela. 

Naquele mesmo ano, para a revista People, Walken afirmou: "Eu não sei o que aconteceu. Acho que ela escorregou e caiu na água. Foi uma coisa terrível. Olha, estamos em uma conversa que eu não terei. É uma porra de um tédio". Em 1997, para a revista Playboy, ele corroborou a terceira versão da história de Wagner: "Ela foi para cama antes de nós. O bote estava batendo na lateral do iate e ela foi lá para arrumá-lo". Christopher, em todas as histórias, manteve que estava dormindo em sua cabine quando tudo aconteceu. De acordo com o capitão do barco ele tinha o seguinte lema: "em briga de marido e mulher não se mete a colher". Ao ser questionado, em público, sobre a discussão, no entanto, Walken zombou em 1981: "Não sabia que o legista estava lá [no navio]".

Dennis Davern, o capitão do 'Splendour' logo oferecia versões diferentes dos dois atores para diversos tablóides. Notoriamente em 1992, ao ser entrevistado para o talk-show 'Now It Can Be Told' de Geraldo Rivera. Ele foi gravado, fora da câmera, conversando com a advogada e amiga Marti Rulli para decidir se contaria o que realmente aconteceu à Natalie. Ela o aconselhou: "guarde isso para o livro e ganharemos muito". Toda a credibilidade de Davern como testemunha se ruiu naquele instante. 

Apesar disso, em entrevista detalhada para a revista Vanity Fair em 2000 na matéria 'Natalie Wood's Fatal Voyage', Davern contou sua versão:

Os dois [Chris e Natalie] estavam flertando como se nem estivessemos no barco. De repente, RJ pega uma garrafa e quebra, dizendo' Jesus Cristo, o que você está tentando fazer? Comer a minha esposa?' Christopher então sai e Natalie afirma: 'Eu não vou aturar mais isso' e vai para o seu quarto. RJ fica comigo por um tempo e depois desce para vê-la.

Segundo Davern, logo depois ele conseguia escutar os dois discutindo como "loucos" e a discussão foi para o lado de fora, na parte traseira do iate. Depois ele ouviu o bote ser desamarrado e o ator retornar 'desmantelado'. O capitão afirma que isso aconteceu por volta das 23h30 e foi apenas às 1h30 que Robert decidiu checar Natalie e percebeu que ela havia desaparecido. 

Justine Wadell (Natalie) e Michael Weatherly (Robert) no filme 'The Mistery of Natalie Wood'

Em outras versões, Davern chegou a dizer que viu Robert empurrando Natalie para fora do barco e até dizer: 'Isso vai ensiná-la', mas o capitão negou depois. Em 2018, ele até afirmou que Robert o havia trancado na cabine no momento do acidente. Em 2004 foi lançado o telefime 'The Mistery of Natalie Wood' dirigido por Peter Bogdanovich. O filme foi baseado na biografia 'Natasha: the Biography of Natalie Wood, a primeira versão da biografia de Suzanne Finstad, além do livro 'Natalie & R.J' escrito por Warren G. Harris. 

Assim como a biografia 'Natalie Wood por Gavin Lambert' o filme corrobora a versão comumente disseminada por Robert Wagner e os legistas: de que Natalie, de meia, tentou amarrar o bote porque fazia muito barulho. Ela caiu na água perto do 'Valiant', mas não conseguiu subir nele e acabou falecendo. No telefilme, Robert é retratado de forma bastante simpática e isso tem a ver com o próprio diretor, que também já se viu envolvido na morte de outra estrela: da coelhinha da Playboy Dorothy Stratten

No livro 'Goodbye Natalie, Goodbye Splendour', lançado em 2008, Dennis Davern diz que Wagner se recusou a acender as luzes para procurar a esposa e Walken ficou o tempo todo em sua cabine, dormindo. Foi Davern quem reconheceu o corpo, que ele descreveu como "coberto de hematomas". 

Natalie Wood pilotando o bote de dia

No mesmo ano, Robert Wagner lançou a autobiografia 'Pieces of My Heart: A Life' no qual ele confessa que estava discutindo com Christopher Walken. O ator afirma, contudo, que os dois brigavam por conta da carreira da atriz - Walken acreditava que Natalie deveria se focar na carreira enquanto Wagner a queria em casa. Bravo, RJ jogou uma garrafa, que em seu primeiro testemunho para a polícia afirmou ter "quebrado por conta do balanço do iate" e Natalie foi para cama. 

A co-estrela de Stephanie Powers conta que ainda ficou com Walken por algum tempo para tomar ar fresco e a co-estrela de Wood foi dormir. Wagner foi logo depois e notou que Natalie e nem o bote estavam lá: "Eu pensei 'de jeito nenhum' [ela saiu com o bote] porque ela morria de medo de água do mar e, além disso, o bote era motorizado e teríamos escutado", mudando totalmente sua primeira versão para a Polícia. 

Natalie e Robert à bordo do Splendour em tempos mais felizes, 1978.

Wagner então diz que pensou que ela teria voltado ao restaurante, que estava fechado, e ligou para o Doug's Harbor Beef. Sem resposta, ele afirma que foi até o local com o iate e voltou logo depois, ligando para a guarda costeira às 1h30. Para o ator resta apenas duas respostas:
Há apenas duas possibilidades: talvez ela estivesse tentando fugir da briga [entre ele e Walken] ou ela tentava amarrar o bote. Mas a verdade é que ninguém sabe o que aconteceu com a Natalie. - Wagner em sua autobiografia

Em outro trecho do livro, Wagner se culpava pelo suposto acidente: "Se eu me culpava? Se eu estivesse lá, eu poderia ter feito algo. Mas eu não estava lá. Eu não a vi. A porta estava fechada, eu achava que ela estava lá embaixo. Eu não escutei nada [...] Eu teria feito qualquer coisa no mundo para protegê-la ou melhorar sua vida. Eu teria dado a minha vida pela dela porque é assim que éramos". 

Natalie Wood e Robert Wagner no 'Splendour'

O caso de Natalie foi reaberto em 18 de novembro de 2011 após petição de Lana Wood e Dennis Davern para a Polícia de Los Angeles, nos EUA. O motivo foi o livro do ex-capitão e revelações de que Wagner teria se recusado a buscar por Natalie. O tenente John Corina, que estava à frente das investigações, ainda nomeou que tinha outras testemunhas que teriam escutado uma discussão entre Wagner e Wood no barco pouco antes da morte dela. Após o falecimento dele em 2019, o detetive Ralph Hernandez assumiu o caso. 

A autópsia revisada, daquele mesmo ano, aponta que os machucados e hematomas de Natalie podem ter sido causados "antes dela cair na água". A atriz tinha feridas no antebraço direito, nas palmas da mão, no pulso esquerdo (que ficou levemente deformado após acidente de Natalie no set de 'A Grande Promessa' de 1948), na lateral da coxa anterior esquerda, no joelho esquerdo, além da parte superior e no tornozelo direito.

O pescoço de Natalie também tinha um pequeno arranhão, além de uma abrasão à esquerda da testa, na sobrancelha e na região da bochecha. De "afogamento", a causa da morte de Natalie Wood mudou para "afogamento e outras causas indeterminadas". Os investigadores também encontraram marcas de arranhões no casco do 'Splendour', mas não preservaram as unhas de Natalie para fazerem a comparação. 

Robert Wagner em 2011

Na ocasião, Wagner emitiu um comunicado apoiando a investigação, mas apenas deu um testemunho pré-escrito para os detetives. Para a mídia, ele externou que a reabertura era "puro sensacionalismo". Robert foi nomeado como uma "pessoa de interesse" no caso em em fevereiro de 2018, especialmente após duas testemunhas, em barcos próximos, alegarem que ouviram ele e Natalie discutindo no iate àquela noite. 

Em março de 2020, a escritora Suzanne Finstad lançou uma versão atualizada da biografia de Natalie Wood, exibindo novos documentos da investigação, em especial um 'Murder Book', ou seja, um compilado da polícia de todas as evidências da morte de Natalie Wood. No livro, ela acusa claramente Robert Wagner de estar envolvido com a morte da esposa. Desde a publicação, o 'Murder Book' de Natalie desapareceu. 

Natasha Gregson Wagner, filha mais velha de Natalie, que foi criada por Wagner, lançou o documentário 'Natalie Wood: What Remains Behind' após novas acusações em maio de 2020. No documentário, disponível na HBO MAX, e no livro dela 'More Than Love An Intimate Portrait of My Mother, Natalie Wood', a também atriz defende a inocência do padrasto com unhas e dentes. 

Natasha conversando com Wagner sobre a noite da morte da mãe, Natalie

No curta-metragem da HBO, o ator confirma que brigou com Walken e a esposa, irritada, foi para o quarto. Quando ela saiu, ele continuou a brigar com Walken e o seguiu até o convés, onde teria se acalmado.  

Chris depois foi para a cabine. Eu e Dennis limpamos o vidro do chão e arrumamos o salão. E conversamos de voltar para o continente no dia seguinte. Quando eu desci, ela não estava lá. Eu procurei e ela não estava lá. Eu saí para olhar e o bote não estava lá. Eu fui atrás de Chris e Dennis e falei que ela não estava mais ali, tinha saído com o bote e ninguém ouviu nada! Eu acho que teríamos escutado se ela tivesse ligado o bote. Então eu pedi um bote da costa para procurá-la, voltei e liguei para a patrulha da costa. -Robert para o documentário 'Natalie: What Remains Behind'. 

Courtney Wagner, filha de Natalie e Robert, também ficou furiosa com as novas acusações contra o pai. Em comunicado à revista People, ela que foi presa por possessão de cocaína em 2012, explicou: "Eu sempre me senti especialmente ligada à meu pai, Katie e Natasha. Fiquei especialmente brava por todas as coisas ditas sobre meu pai. Eu estava furiosa com as acusações contra ele e senti que foram extremamente desrespeitosas, especialmente de onde vieram. É óbvio que certas pessoas estão explorando a minha família e isso me fez sentir muito protetora em relação ao meu pai. Eu o amo profundamente e isso dura tanto tempo que eu não consigo acreditar que escrevam coisas tão ruins sobre ele". 

Robert com Natasha (à esquerda) e Courtney

Em janeiro de 2021, Samuel A. Perroni, autor de mais um livro sobre Natalie, entrou com uma petição contra a Delegacia de Polícia de Los Angeles para obter registros confidenciais sobre o caso. O advogado especializado em crimes lançará o 'Brainstorm: An Investigation of the Mysterious Death of Film Star Natalie Wood' em 21 de dezembro de 2021.

Lana Wood, que sempre defendeu que a morte da irmã não foi um acidente, lançou em novembro de 2021 a biografia 'Little Sister: My Investigation Into the Mysterious Death of Natalie Wood'. Nele, a atriz acusa Robert de ter matado Natalie e ter conseguido escapar por ser um homem de bastante poder e prestígio em Hollywood. 

Natalie Wood em 1981

A morte de Natalie Wood permanecerá um mistério apenas por um motivo: a incompetência das investigações policiais. O detetive original do caso, Duane Rasure, relatou para o especial '48 Hours' da CBS News a mesma história de Robert Wagner, duvidando da garrafa quebrada e até que houve uma discussão no barco entre Wagner e Walken. Ele ainda garantiu que "não houve qualquer indicação de discussão entre Robert e Natalie". 

O barco não foi investigado de forma correta, não foram colhidas evidências no deck, no quarto do casal e nem no bote, que foi usado nas buscas. As testemunhas, como Marilyn Wayne, nem sequer foram ouvidas pela Polícia. Os investigadores acreditaram no que queriam acreditar. Em fevereiro de 2021, perto do 40º aniversário da morte da atriz, o site 'Front Page Detectives' afirmou que Wagner poderia ir para o grande júri pela morte de Natalie, por manobra do novo promotor George Gascon, porém não houve mais atualizações sobre o assunto. 

Se a mudança de versões na história de Wagner já é preocupante, o mais grave é que a Polícia, ao ver o astro alterá-las a cada novo comunicado para a imprensa, não fez questão de investigá-lo apropriadamente. Os oficiais não foram à fundo: apenas acreditaram na palavra do astro por ser o poderoso Robert 'R.J' Wagner. 

Natalie Wood: será que sua morte será sempre um mistério?

Natalie, apesar de ser uma grande estrela, definiu a sina que assombra toda a mulher: a palavra dos homens sempre vale mais. E por isso, a querida estrela não deve receber a justiça que merece. Pelo menos não nesta vida. 

O caso de 'Natalie Wood' continua sendo investigado pela polícia. 



*matéria atualizada no dia 14/11/2021 para incluir informações sobre Courtney Wagner


Postar um comentário

0 Comentários