A estadia repleta de samba de Rita Hayworth no Brasil - Caixa de Sucessos

Notícias +

22/03/2018

A estadia repleta de samba de Rita Hayworth no Brasil

Em 1962, a vida de Rita Hayworth sofreu mais uma mudança que tinha a ver com um homem: recém-separada de James Hill [um dos piores maridos da vida de Rita, à frente até de Dick Haymes], seu quinto marido, ela resolveu aceitar o convite do representante americano de cinema no Brasil, vulgo Harry Stone, e vir ao Brasil para aproveitar o carnaval carioca. 

Com 43 anos de idade, Rita já não tinha mais a beleza jovem que ficou eternizada no filme Gilda (idem, 1946) e mostrava um encanto mais maduro, calmo e por que não, um tanto mais realista, depois de tantas amarguras em sua vida. 

De acordo com a finada revista Cinelândia, em 1962, Rita afirmou: "A maior alegria que experimentei de meus casamentos foi o momento de assinar a petição do divórcio." E com dois maridos bêbados e abusivos e outros três com falhas que iam desde a traição ao gênio forte, Rita chegou ao Rio de Janeiro sem a intensidade de Gilda, mas com o bom-humor e a fascinação que apenas Rita Hayworth poderia ter. 


                                                                            Rita Hayworth com Guilherme Araújo, diretor de televisão em sua estadia no Brasil                       Cinelândia
Rita Hayworth chegou ao Brasil, mais precisamente no Rio de Janeiro, pelo aeroporto do Galeão em 25 de fevereiro de 1962, por um avião da Varig procedente dos Estados Unidos, às 20h22. Apesar de rumores de que a atriz já teria vindo ao Brasil uma outra vez,  em setembro de 1941 à pedido de seu então namorado - e futuro segundo marido - Orson Welles, isso não é verdade. Como sabe-se, o diretor veio ao Brasil para gravar um filme sobre a cultura brasileira chamado É Tudo Verdade e nessa época Rita estava ocupada gravando inúmeros filmes e ainda nem havia conhecido Orson. 

Outra oportunidade de Rita vir ao Brasil ocorreu em dezembro de 1952, quando segundo o jornal Correio Paulistano, ela havia sido convidada para a première de O Cangaceiro (idem, 1958) em 28 de dezembro de 1952, porém com o fim de seu casamento com Ali Khan, nunca foi comprovada sua chegada ao país. 

Mas voltando para a vinda definitiva de Rita: ela foi recebida no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro e o jornal Diário de Notícias, conta que: "logo que desceu do Galeão, quando foi feita esta foto, quis saber se a cidade já estava preparada para a folia e se os cariocas conservavam a mesma animação que a contagiou há alguns anos." A resposta da atriz pareceu ser positiva: Rita ficou quase um mês em terras brasileiras! 


Rita sendo recebida no aeroporto por fãs e jornalistas                                                                                                 A Manchete
Em breve entrevista com a imprensa em seu desembarque, Rita afirmou que estava animada para comemorar o Carnaval brasileiro: 
Tenho certeza que vou amar o Carnaval Carioca que eu conheço através do cinema. Não trouxe fantasia, mas pretendo comprar uma e me divertir bastante. 
Ainda no bate-papo, Rita falou sobre Aly Khan, seu falecido marido e deixou claro que ainda o amava:
Foi um ótimo esposo e um grande homem. Divorciávamos por questões que não valem repetir, principalmente agora que está morto. Eu ainda o amava. - Diário de Pernambuco
Alida Valli, famosa atriz italiana que também já trabalhou com Orson Welles, então ex-marido de Rita, curtiu o carnaval na mesma época de Hayworth e no mesmo dia de sua chegada, as duas curtiram um cocktail pré-carnavalesco em Joá, bairro do Rio de Janeiro. Ambas estavam no país para divulgarem o lançamento do filme O Sétimo Mandamento (Please Don't Tell, 1961) com o qual contracenaram com Rex Harrison. 

Alida também estava gravando, no Rio, o filme Hora da Sesta (1962), ao lado de Louis Jourdan e Alexandra Stewart, dirigido pelo argentino Leopoldo Nilsson. 


Rita Hayworth se divertindo no programa Ao Encontro da Música                                                                                                                                           
Rita, assim que chegou no Rio de Janeiro, falou pouco com a imprensa já que tinha que correr para fazer uma aparição no programa de televisão Ao Encontro da Música da TV Continental. O Jornal A Noite fez uma reportagem só sobre sua aparição, revelando a simpatia de Hayworth que ligou para o produtor do programa para saber que horas deveria chegar ao estúdio. A entrevista e o programa foram conduzidos pelo apresentador Haroldo Eiras e a atriz revelou estar muito animada para brincar durante o carnaval carioca.

Utilizando-se dos talentos de dança de Rita, a atriz se juntou à Elizote Cardoso, Jorge Veiga e Marlene e dançou samba em frente das câmeras. Essa foi a primeira vez  de todos os países que Rita visitou no qual ela concordou em ser entrevistada e aparecer em um programa de televisão. No ritmo do samba, a atriz mostrou toda sua graça e beleza e de quebra os brasileiros conseguiram um furo exclusivo! 

Além da TV Continental, outros canais como Canal 100 e TV Tupi também noticiaram a vinda de Rita ao Brasil, e existem até roteiros de televisão contando sobre sua vinda, porém infelizmente não temos os vídeos disponíveis.


Rita passeando pelo Rio de Janeiro - muito elegante                                                                                   O Jornal do Brasil
Hospedada no hotel Copacabana Palace, do qual o playboy Jorge Guinle era dono, a deusa do amor curtiu a noite carioca como nunca! De acordo com o jornal O Jornal, Rita tomou até alguns remédios para dormir em sua chegada no Rio e no dia seguinte, dia 27 de fevereiro, afirmou estar indisponível para a imprensa e que apenas sairia do hotel entre às 16h ou 17h. Á tarde, saiu com Jorge Guinle pela cidade para escolher sua fantasia e o Jornal do Brasil atesta que Rita não foi reconhecida pela maioria das vendedoras das lojas. 

Ainda no dia 27 de fevereiro de 1962, Rita partiu para a noitada carioca ao lado de Guinle no Iate Clube onde acontecia a festa Uma Noite no Havaí. Segundo O Jornal, Rita também estava acompanhada de Raul Miranda Santos, conhecido como o Raul Barulho. 

Em entrevista a revista Exame Vip em 1991, Jorginho Guinle afirma que seu romance com Rita começo ali:
Meu romance com Rita Hayworth foi num barco que estava a seco no Iate Clube, tudo muito bonito e romântico. Ela era muito sozinha. 

Rita se divertindo no Iate Club                                                                                                                O Jornal/Cruzeiro
Em 28 de fevereiro de 1962, Hayworth teve mais uma agenda bem agitada. A diretoria da Melo Tênis Clube ofereceu um coquetel para a estrela com início às 21h. Antes, no entanto, Rita compareceu no samba brasileiro ao lado da italiana Alida Valli, Alexandra Stewart, Paul Guera, Maurice Serfati e Violeta Antler. O grupo foi sambar com a Escola de Samba de Portela, detentora do chamado "tamborim de ouro".

Rita com a bandeira da escola de samba Portela                                                                Portela Blog
Em entrevista ao jornal Mundo Ilustrado na mesma noite, Rita revelou que entre todos seus maridos, apenas se casaria de novo com o príncipe Aly Khan, afirmando "quando morreu eu ainda o amava" e elogiou muito o samba, encerrando sua entrevista com a seguinte frase: 
Só quero agora saber de samba!
As crianças da escola a adoraram e Rita distribuiu beijos e autógrafos na mesma medida. 

Rita Hayworth em sua visita a Portela: muitos abraços e beijos e, claro, samba!                                                                          Mundo Ilustrado/Montagem
No dia 1 de março de 1962, Rita Hayworth partiu para Brasília, ao lado do representante de cinema americano no Brasil, Harry Stone e Jorginho, é claro, para participar do então primeiro "Baile da Cidade" no Teatro Nacional. Ao seu lado também Sette Câmara, o então prefeito de Brasília, que a convidou especialmente para a ocasião. 

Ela chegou a Brasília através do Aeroporto Internacional e foi recebida de braços abertos pela imprensa. Segundo o jornal Correio Braziliense, ela visitou toda a cidade, tirou fotos nos pontos turísticos e foi super simpática com a imprensa. 

Mais tarde, Sette Câmara a levou para um coquetel no Riacho Fundo, com todas as pessoas mais importantes da sociedade. À noite, a intérprete de Gilda verificou com seus próprios olhos que o Carnaval brasiliense também era de babar! 


Rita se divertindo durante o Baile                                                                                                                 A Manchete
Chique com um vestido bem colado (e com marquinhas de biquíni, sinal de que aproveitou bem a praia), Rita ficou ao lado do primeiro ministro Tancredo Neves e se divertiu muito no carnaval de Brasília. 

Manuel Mendes, repórter do Correio Brasiliense, estava presente na festa com Rita Hayworth e garantiu que ela se divertiu muito e até conversou com Joan Lowell, ex-atriz que fez de Goiás o seu lar: 
Por um momento, Joan Lowell, minha mulher, eu e outros convidados colocamos Gilda no centro. Alegre, tentava ela seguir o ritmo enquanto ria muito e batia palmas. Para mim, era a glória! - Manuel em seu livro O Cerrado de Casaca

Rita em sua chegada a Brasília e na festa com Tancredo Neves, Hermes Lima, Israel Pinheiro e Sette Câmara 
Logo no dia seguinte, Rita retornou para o Rio de Janeiro para curtir, de perto, o carnaval brasileiro. Ela continuou frequentando boates à noite, sempre ao lado de Jorginho Guinle e/ou de Harry Stone. Rita e Jorginho estavam tão próximos que os jornais até noticiaram um possível romance entre eles. O jornal Última Hora noticiava: "Rita Encantada com o Rio: Romance com Jorge Guinle?", afirmando que a atriz estava passando tempo demais com o playboy e que ele a levaria para conhecer sua família em Teresópolis. 

Segundo o Diário Carioca, o itinerário de Rita estava bem cheio: no dia 3 compareceu à uma festa no Copacabana Palace, no domingo assistiu os desfiles das escolas de samba. Dia 5 de março ela se esbaldou no Teatro Municipal, uma das festas mais faladas do momento  cujo o tema era "Carnaval em Veneza" e na terça-feira foi no Joquei Club.

Para a festa no Copacabana Palace, Rita tinha sua grande fantasia para carnaval pronta: o da baiana.  Idealizada pela estilista Mary Angélica, em tecido bangu, foi feita à pedido do colunista Ibrahim Sued. O traje de Rita, no entanto, era tão simples que nem parecia uma fantasia elaborada. Era feito para que ela se divertisse e o colar de contas completava seu look.


Rita abafando com seu look                                                                                                 O Cruzeiro

Rita estava tão animada de participar das festividades que até ficou como juíza no Desfile de Fantasias. A atriz, no entanto, foi bem criticada por sair do carnaval às 1h10 da manhã, com um jornal afirmando que ela "fingiu sambar na porta apenas para agradar ao público." Ninguém pode negar que Rita, no entanto, era um doce com seus fãs e ficou na porta do evento durante muito tempo apenas dando autógrafos! 

A ganhadora do desfile de fantasias foi Regina Glaura Lemos, fantasia de Cleópatra. A sortuda ainda tirou uma foto lado a lado de Rita que pareceu se divertir muito sendo juíza, dando para as câmeras as melhores caras e bocas para serem publicadas em um jornal! 

O júri foi composto por, além da Rita, por Partenette de La Vaille, Nelly Ribeiro, Lourdes Catão, Mary Angélica (que desenhou o vestido de Rita), Segadas Vianna, Nenm de Castro, Miss Ly e Nichole Mesquita. A fantasia de Regina, por acaso, foi unânime entre todos os nove jurados como a melhor do baile! 


Rita julgando cada uma das fantasias e ao lado da vencedora                             Divulgação/Montagem
No dia seguinte, 4 de março de 1962, durante os desfiles das escolas de samba,  Rita recebeu do Rei Momo, ou seja o rei do Carnaval, o diploma de "Cidadã Samba" e assinou centenas de autógrafos para fãs do lado de fora da folia. No "diploma", em tradução livre já que boa parte do documento está ilegível, lia-se: 
Pela alegria, animação e entusiasmo demonstrados durante os festejos de Carnaval Carioca de 1962, concede-se a Rita Hayworth o título de "foliona".  - replicado do jornal A Noite
Rita recebendo o título de "foliona"
Nessa data, Rita Hayworth chegou às 17h30 no palanque oficial, montado ao lado da Escola Nacional das Belas Artes, para apreciar os desfiles das escolas cariocas. Esperou duas horas e meia e viu a passagem da primeira escola, a Tupi de Brás de Pina. Depois, cansada e aborrecida com a espera, retirou-se discretamente, deixando de ver um dos "carnavais mais bonitos de Guanabara."; como noticia a revista O Cruzeiro. 


Como reitera o Jornal do Brasil, o desfile das escolas de samba atrasou e Rita, cansada, acabou nem indo para a festa da Quintandinha, que já estava programada em sua agenda. O baile do Municipal que ela viu do camarote presidencial lhe rendeu uma grande aventura na saída: envolvida pela multidão que amava a atriz, ela não conseguiu achar seu carro e andou até de radio patrulha para seu destino final. 


Rita ao lado de seu affair Guinle no carnaval do Copacabana Palace 
Cansada de toda a agitação, Rita partiu para Cabo Frio, no Rio de Janeiro, para descansar das tribulações do carnaval e ficou hospedada na casa do Príncipe João e Princesa Fátima de Orleans Bragança, que foram padrinhos em seu casamento com Ali Khan. Foi para lá no dia 7 de março e ficou dois dias, voltando ao Rio de Janeiro no dia 9 de março, para continuar com sua agenda de compromissos nas terras cariocas. 

Ao voltar, ela já fez presença no badalado desfile da grife Pipart, que fez um desfile exclusivo no Golden Room no Copacabana para mostrar suas mais novas criações intitulada "Côte D'Azur 62". Dizem que Rita amou o desfile, principalmente dos modelos esportivos. Isso mostra que apesar do glamour, Rita era mesmo uma mulher mais simples. 

Rita sempre ao lado de Jorginho Guinle - aqui no desfile da Pipart
Um dia depois, no sábado dia 11, Rita estava de volta ao Mello Tennis Clube, na Vila Leopoldina no Rio de Janeiro para receber seu título de sócia-honorária do clube. Um evento programado por Harry Stone,  teve presença de inúmeras personalidades, incluindo o diretor do clube, sr. Álvaro de Mello. Rita continuou em bons espíritos e continuou a dançar samba, como de praxe em sua viagem. 


Rita sendo muito bem recebida no Mello Tennis Clube                   Divulgação/Jornal dos Sports
Estava programada a viagem de volta de Rita Hayworth para Mar del Plata em Buenos Aires, no dia 13 de março, mas a atriz resolveu ficar ainda mais tempo no Brasil. Fez compras na já extinta Niná Boutiques, assim como sua amiga Alida Valli, comprando um biquíni rosa. Já Valli comprou um azul. 
Continuou a frequentar clubes ao lado de Harry Stone e de Jorginho Guinle, inclusive participando de uma festa em Joá, no RJ em 20 de março de 1962 feita por Eduardo Farah, em sua homenagem. 

Diziam que o motivo na demora de volta de Rita era seu romance com Jorginho que estava se tornando sério. Em entrevista ao livro Copacabana, cidade eterna: 100 anos de um mito de Wilson Coutinho, Jorge confirmou o envolvimento e o chamou de algo "muito bonito":
Eu namorei várias das atrizes que trouxe para cá.A Rita Hayworth, por exemplo, que passou um mês aqui. 
Rita acima no Golden Room e abaixo em recepção em Joá        Divulgação/Montagem
Foi no Carnaval, aliás, que Rita conheceu Lincoln Gordon, o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, e fez amizade com a embaixatriz, que convidou Rita para participar de uma exposição de artistas brasileiro contemporâneos em sua residência oficial. 


Foi de óculos para ver todas as obras e até conversou com o pintor Antônio Bandeira, em francês, sobre sua arte, apreciando e muito o abstracionismo da obra. Ela foi escoltada por Lúcia Stone, esposa de Harry Stone. Isso no dia 17 de março de 1962. 

Rita observando as obras 
Rita continuou passeando pelo Rio de Janeiro ao lado de Jorginho Guinle, aproveitando boites como a Zum Zum, o Golden Room e outros lugares encantadores do nosso país.  Em sua partida no dia 23 de março de 1962, Rita estava escoltada por Guinle e para a imprensa afirmou que sentiria muita falta do país e que considerava o "Grande Otelo"maravilhoso, e que se ele tivesse a chance brilharia nos palcos da Broadway.


A deusa do amor, que ganhou seu próprio perfil aqui na Caixa de Sucessos, foi embora das terras brasileiras no dia 23 de março de 1962, exatamente um mês depois de sua chegada, para começar os ensaios de sua mais nova peça na Broadway, a Step on Crack, no qual interpretaria uma ex-atriz infeliz casada com um médico tradicional. Por "razões médicas", Rita nunca conseguiu interpretar o papel que seria sua estreia nos palcos. 



Com muito bom humor, estilo e é claro a doçura típica de Rita, que era sempre muito calorosa e doce com os fãs e amigos, sua estadia no Brasil foi sem a turbulência típica das outras estrelas que chegaram e não sem motivo: a atriz amava o samba e, em retorno, o Brasil ainda a ama. 


*Matéria atualizada no dia 29 de maio de 2020.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here